LP Blog: 13 Reasons Why não é só uma série

Translate

13 Reasons Why não é só uma série

15.04.2017


Filnalmente! Ontem consegui ter tempo e terminei a série 13 Reasons Why, a série da NetFlix que foi baseada no livro do autor Jay Asher e que está dando o que falar.
13 Reasons Why ficou famosa não só por tratar de temas que estão super em alta nos debates hoje em dia, mas também por abordar isso de forma brilhante, eu (como a maioria das pessoas) também amei... Só tenho uma reclamação 👀 👉Aquele corte na testa do Clay que nunca cura! Mas tirando isso, tudo ok. Eu ainda não li o livro, mas parece que os fãs também ficaram bem satisfeitos, apesar de haverem diferenças entre as obras (normal).
O "X" da questão que venho trazer aqui é porque 13 Reason Why é muito mais do que uma série. Já é sabido que tanto o livro, quanto a série, tem tido um papel importante e já ajudou muita gente em todo mundo a superar problemas, mas o que venho trazer aqui é o seguinte...

Quando comecei a assistir, eu (e vi outras pessoas também com essa opinião) achei que, a princípio, para um ambiente escolar a coisa é bem mais pesada do que acontece normalmente nos colégios, ou que nos colégios americanos a coisa é mais séria do que aqui no Brasil. Mas eu me dei conta de que infelizmente a realidade NÃO É MUITO DIFERENTE, principalmente nos colégios públicos aqui do Brasil, acontece sim muita violência dentro das escolas, assédio sexual, abuso de drogas e, o mais preocupante, é que a escola age exatamente como na série, passando o pano, considerando que não é nada demais.

Eu já me mudei de escola várias vezes. Algumas melhores e outras piores, mas vou só exemplificar uma das piores experiências. Na série da Netflix, eles ainda contam a história de um grupo de  quase adultos do colegial. No meu caso era só a 6ª série, eu tinha 11 anos e logo ia fazer 12, e me mudei para uma escola porque mudei de bairro, cai numa das piores salas... Com 12 anos, as minha sala já estava cheia de "crianças" que já bebiam, usavam drogas, roubavam e assediavam. Já acharam drogas na minha sala, os meninos mostravam a bunda, roubavam mercadorias no mercado para vender mais barato na escola, beijavam as meninas a força, batiam nas professoras. Enchiam copos de baba e jogavam nas pessoas, passavam perto da mesa das meninas e rapidamente pegavam a mão delas e passavam neles, ou quando alguém levantava, vinham por trás com "a tenda armada (espero que dê para entender)" e agarravam. Certa vez vários garotos da minha sala se juntaram e pegaram uma das meninas quietas da sala na aula de educação física e levaram ela para quadra e jogaram ela num colchonete e tentaram agarra-la, mas a professora escutou ela gritar e conseguiu chegar a tempo de tirar ela de lá. 

EU já levei soco na cara na escola por que um menino mexeu comigo e eu reclamei com ele, a professora, me segurou para não revidar, mas também não houve punição alguma para o menino e os outros alunos só passaram o dia me zoando porque apanhei. Infelizmente também teve épocas que eu fui agressora, porque você começa a achar que vale a pena e as vezes os problemas da nossa vida pessoal se refletem dessa maneira na escola. Felizmente, no ano seguinte mudei para uma turma menos pesada e no colegial fui para uma escola técnica.

Não sei, mas vai saber quantos casos de abusos (até mesmo estupros) como os da Hannah não têm por aí escondidos (dentro e fora das escolas).

Eu não costumo contar essas coisas para ninguém, ainda mais na internet, mas achei que era um bom momento e que se a gente não conta sempre todos vão agir como se tivesse tudo bem, não só nas escolas. E ainda sim é só para dar uma ideia, não contei tudo que já vi acontecer ou que já aconteceu comigo em detalhes.


© Lidiane Penachioni - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Lidiane Penachioni Arte e Criação.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo